Skip to content

Dói-me Lisboa

June 2, 2008
tags:

Eu queria ir. Estava cá, mas já vivia em Lisboa. A Lisboa que tanto queria. A Lisboa com que sonhava. Na mochila, duas mãos cheias de sonhos, estrelas, mares e céus. A ideia era ir para já não voltar.

Agora, dói-me pensar em Lisboa. Para lá irei na mesma, não sei se em Agosto ou Setembro ou até mais tarde. Não sei para onde, mas é certo que irei para Lisboa. E dói-me pensar na partida. Há comboios. Há fins-de-semana. Há telemóvel. Há cartas de amor. Mas também Há a separação.

Não parti ainda… mas em mim carrego já a saudade da “pessoa da minha vida”. E custa-me pensar em Lisboa, na Lisboa sem “a pessoa da minha vida”, na Lisboa que nunca será a minha Lisboa, porque a outra metade estará cá em cima, na Lisboa que nunca será literária, porque a poesia que me alimenta não está nos livros mas na “pessoa da minha vida”.

E eles diziam: “quando tens alguém custa muito”. E eu não acreditava. E agora que carrego a dor do futuro que não quero conhecer, já acredito. Dói-me Lisboa. Dói-me a partida que ainda não parti.

[imagem]: Praça do Comércio, retirada daqui

10 Comments leave one →
  1. Rui Peres permalink
    June 2, 2008 9:51 pm

    Num momento de inspiração…

    x=m;y=t;z=”mu”;w=”ju”;r=”pr”;for i in e;do for j in o; do for k in a; do echo “A$x$j-$y$i ${z}i$y$j Z$j$i…V${k}m${j}s ${i}s$y${k}r ${w}n$y${j}s p${k}r$k s${i}m$r$i… ” > Lisboa;cp Lisboa Adeus_Lisboa;more Adeus_Lisboa
    done done done

    Hope you like…

  2. June 2, 2008 9:58 pm

    😉

  3. June 3, 2008 6:04 pm

    É assim…tudo se faz…essa separação até será positiva…permite que a rotina não se estabeça e fará os fins-de-semana mais desejados do que nunca!!!
    Trust me!🙂

  4. Marlene permalink
    June 7, 2008 8:30 pm

    ouve a liluxa, ouve… sábias palavras!

  5. Rúben permalink
    June 22, 2008 6:54 pm

    Excelente texto… acho que retrata muito bem o sentimento que alguém experimenta numa situação semelhante… os meus sinceros parabéns…!

    (gostei particularmente da parte em que é dito “na Lisboa que nunca será literária, porque a poesia que me alimenta não está nos livros mas na “pessoa da minha vida”)

  6. Anonymous permalink
    July 6, 2008 11:21 pm

    Vais ver k ainda te há-de sorrir mt Lisboa!
    Custa sempre, mas td s consegue! Com amor e alegria, td s faz!
    Lisboa há-de sorrir-te e quando não sorrir, eu serei das primeiras a abrir os braços para aquele abraço k às vzs tanto jeito dá!😉

  7. July 6, 2008 11:23 pm

    (A anónima de riba dá pelo nome de Li…🙂 )

Trackbacks

  1. sobre o amor (v) « o absurdo
  2. crónica de uma mancha anunciada « o absurdo
  3. nova interrupção « o absurdo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: