Skip to content

Malagueta

May 17, 2008

A edição #9 da revista Malagueta já saiu. Contribuo com uma pequena crítica que já tinha sido publicada parcialmente na versão impressa do ComUM. Fica o agradecimento pelo convite à Renata Miloni.

Há que distinguir: A Sombra do Vento [1], de Carlos Ruiz Zafón, não é um bestseller mas um top de venda. Sim, quem explica a diferença é Alexandre O’Neill:“O bestseller é um produto perfeita (ou eficazmente) projectado em termos de ‘marketing’ editorial e livreiro”, enquanto os tops de venda são “excelente literatura que, por razões pontuais e, muitas vezes extrínsecas à sua própria feitura, conheceram grandes êxitos de venda”. [2]
A sombra do vento tem somado tops de vendas por todo mundo mas, ao contrário do bestseller, que rapidamente se esquece e perde no tempo, este livro veio para conquistar o seu espaço no corpo de vários leitores, especialmente dos bibliófilos. O penúltimo livro de Zafón é um livro sobre livros, mas não só: romance, policial, aventura, terror e muitos outros elementos estão lá.

Tudo começa em 1945, numa Barcelona modernista do pós-guerra civil espanhola. Daniel Sempere é uma criança órfã de mãe que um dia é levado pelo seu pai ao Cemitério dos Livros Esquecidos — um lugar secreto que guarda todos os livros que foram condenados ao esquecimento, permitindo que continuem a sobreviver. De acordo com a tradição, Daniel pode salvar uma alma e acaba por escolher A sombra do vento, de Julián Carax, um escritor obscuro. O livro rouba-lhe apaixonadamente a noite e Daniel começa a procurar outros do autor. Mas a tarefa revela-se difícil: o miúdo descobre que um indivíduo de rosto desfigurado, com o nome de uma das personagens de um livro de Carax, andou de loja em loja à procura de todos os livros do escritor e, à medida que os ia descobrindo, queimava-os. As obras de Julián Carax tornaram-se verdadeiras raridades e um alfarrabista chega a oferecer a Daniel uma quantia considerável de dinheiro pela Sombra do vento, mas o protagonista recusa todas as ofertas. À medida que Daniel vai crescendo, as investigações aprofundam-se e ele começa a reconstruir a história de Julián Carax, que acabará por se confundir com a sua. Pelo meio não poderia faltar o amor: Daniel apaixona-se primeiro por Clara, uma jovem cega, e mais tarde pela irmã do seu melhor amigo, Bea. O desfecho é surpreendente.

A sombra do vento nasce do casamento entre Gabriel García Márquez, Umberto Eco e Jorge Luis Borges. Há tramas dentro de tramas, labirintos dentro de labirintos, personagens e histórias por resolver. E a excelência de Zafón está na forma como conduz o leitor, cada vez mais perdido, e esfomeado pelo desenlace laboriosamente urdido. Não há tempos mortos, tudo se acelera vertiginosamente. E estamos a falar, na edição de bolso da Phoenix, de aproximadamente 500 páginas. É um crescendo de suspense e agitação, sem qualquer aborrecimento pelo meio. O autor não faz render o peixe, descreve apenas o essencial, e até se fica com pena que o peixe não sobreviva por mais tempo.

Mas nem tudo são rosas. A sombra do vento peca principalmente nas personagens. A caracterização é fraca e Záfon pinta um quadro excessivamente idílico: as prostitutas são meigas e doces; o chapeleiro é mau; um vagabundo, resgatado da rua, torna-se um gentleman trabalhador e exemplar. Daniel apaixona-se muito rapidamente e parece que, apesar da passagem dos anos, não cresce.

O leitor que se atrever por estas sombras de vento deve ficar precavido: não esteja a ler mais nenhum livro porque este irá absorvê-lo por completo e não descansará enquanto não o acabar. Maldito. E depois de acabar, ira questionar-se: “Existirá vida, ou livros, depois de A sombra do vento?”.

Os dois primeiros capítulos do livro estão disponíveis em espanhol aqui. Em Portugal [3], a versão traduzida custa aproximadamente 22 euros, enquanto que a edição de bolso da Phoenix fica por 12 euros. Perante diferença tão abismal, o leitor que domine o inglês optará certamente pela segunda opção.

***

Carlos Ruiz Zafón nasceu em Barcelona em 1964. Em 1993, obteve o Prémio Edebé com o seu primeiro romance O príncipe da névoa. Desde então, publicou mais quatro romances, transformando-se numa das maiores revelações literárias com A sombra do vento — finalista do Prémio de Romance Fernando Lara 2001 e do Prémio Llibreter 2002, e eleito o Melhor Livro de 2002 pelos leitores de La Vanguardia. El juego del Ángel é o mais recente livro do escritor espanhol.

Referências

[1] Dom Quixote (Portugal), 2004
[2] Uma coisa em forma de assim, Assírio & Alvim (Portugal), 2004
[3] No Brasil, o livro foi lançado pela Editora Objetiva em 2007.

One Comment leave one →
  1. October 1, 2014 1:39 am

    Check out various combos, inside piece of art concept within the remarks container as well as
    the gliders for the drawers and doors removed from cabinets, measure the dimensions of the area.
    The only difference is that these white colored cabinets are just the consequence of
    a disorganised way of living, you can also get discount kitchen cabinets.
    If it kitchen cabinets feels like a home. First of all, installation of this
    product. They say an eco-friendly house can’t be built in large sections to fit site-measured situations.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: