Skip to content

……

May 27, 2007

costumavas dizer: “a tua leveza de flor-no-ar, meu amor, obriga-me a plantar asas para te alcançar.” eu respondia-te: “pede às abelhas para te trazerem, caminhante dos vales, e vamos viver num castelo-no-ar.”

tu vieste e passámos a morar no alto, assim, no alto.

as nuvens, os pássaros, a chuva, os trovões estavam tão perto de nós que deixarem de ser “eles” para passarem a ser “tudo”. quando alcançámos a perfeição imperfeita, os Deuses abriram-nos as portas do Olimpo.

bebemos néctar e comemos ambrósia, meu amor, enquanto dançávamos ao som da lira de Apolo, do canto das Musas e da dança das Cárites.

era assim.

a tranquilidade.

3 Comments leave one →
  1. May 28, 2007 11:09 pm

    Reparei que tambem te chamas eduarda.
    Deve ser o nome que dá necessidade de escrever.

    Tomei a liberdade de adicionar o teu blog à minha lista.Espero que não te importes.

    e.f.

  2. May 30, 2007 9:47 pm

    Definitivamente “incomentável”. Principalmente por um tipo como eu. A absorver… A absorver… Vai “absurdando”!

Trackbacks

  1. ……. « o absurdo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: