Skip to content

May 2, 2007

naquele dia em que roubámos os relâmpagos ao céu, as mãos secaram, o peito ardeu. tu eras eu. qualquer coisa que me animava os movimentos. nunca falávamos, a não ser por silêncios. costumavas colocar a tua mão no espelho para eu a contornar com batom. e depois, à noite, percorríamos as estradas com os pés nus, enquanto gritávamos às brumas, perturbando os vizinhos. outras noites tocávamos às campainhas e fugíamos, loucos, do corpo suado e entrelaçado. as tuas mãos eram belas, dedos de violoncelista da madrugada. era assim, o nosso amor: tomávamos a vida um do outro. mas depois as mãos secaram e o peito ardeu.

Advertisements
3 Comments leave one →
  1. Liliana Pacheco permalink
    May 3, 2007 8:41 am

    Que bonito…

  2. May 3, 2007 9:12 pm

    Alguém derreteu o seu coração :o)

Trackbacks

  1. ……. « o absurdo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: