Skip to content

o absurdo está omnipresente

March 22, 2007

«Mas tudo o que dizemos é um absurdo, dizia ele, pensei, seja o que for que dissermos é tudo um absurdo, e toda a nossa vida é uma absurdidade total. Percebi isso muito cedo, mal comecei a ser capaz de o pensar logo o percebi, só falamos absurdos, tudo o que dizemos  é absurdo, mas também tudo o que nos é dito pelos outros é um absurdo, tal como tudo o que é dito duma maneira geral, neste mundo só se têm dito absurdos, até hoje, assim dizia ele, e, na realidade, como é natural, só se têm escrito absurdos, todas as obras que possuímos mais não são do que absurdos porque só podem ser absurdos, e a história tem-nos provado, dizia ele, pensei.»

(Thomas Bernhard, in O Náufrago. Lisboa: Relógio d’Água, 1987)

One Comment leave one →
  1. March 25, 2007 11:42 pm

    o absurdo é necessário?

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: