Skip to content

o homem e o artista

January 28, 2007

ao fazer pesquisa para escrever esta crítica, descobri que Luigi Pirandello foi um apoiante de Mussolini. trespassou-me grande tristeza e desilusão. e isto atormenta-me: um grande artista não pode ser um mau homem. não é possível. a propósito deste assunto, lembro-me de Picasso. também o moço tinha mau carácter. dos piores, principalmente, com as mulheres. e, no entanto, é mundialmente reconhecido como um dos maiores pintores. é coisa que me faz confusão: esta, de separar o homem do artista.

Advertisements
10 Comments leave one →
  1. January 28, 2007 1:21 pm

    Bem, este comento! […] é coisa que me faz confusão: esta, de separar o homem do artista. Estou inteiramente de acordo, ó Eduarda! Ao mesmo tempo vemos um Kundera ser repudiado na sua República Checa…

  2. January 28, 2007 2:44 pm

    Os grandes artistas são, por natureza, irreverentes. Habitualmente, essa irreverência é visível através de actos oposicionistas ao regime vigente. E se, neste caso, a irreverência estiver em manter-se apoiante de alguém que, inicialmente, em Itália, todos apoiaram mas que, depois, todos repudiaram?

    PS – Não sei, claramente, se é esse o caso, mas sabe bem pensar que sim.

  3. January 28, 2007 6:10 pm

    não me parece possível uma perspectiva maniqueísta sobre a arte – ou mesmo sobre os homens. e, por mau que seja, uma ou outra – arte ou vida real – podem ser catalizadores do que não passa para o mundo por norma.

  4. January 28, 2007 8:58 pm

    não estou certa de ter compreendido a tua perspectiva, Hugo. de qualquer forma, custa-me a separar a arte da vida real. todas as coisas estão intimamente ligadas. somos um todo. o artista não se pode desligar do homem. pelo menos, é nisto que acredito.

  5. January 29, 2007 12:18 am

    poderia discorrer durante longas e largas linhas. mas para simplificar, um bom artista não significa um bom homem nos termos sociais e morais que aceitamos como os melhores – e não estou aqui a pô-los em causa, nem é essa a discussão. a sensibilidade pode até nem ser a mesma.

  6. January 29, 2007 11:37 am

    este é assunto para muitos cafés. de qualquer forma, continuo a não concordar contigo Hugo, embora reconheça a legitimidade dos teus argumentos 😉

  7. January 29, 2007 6:45 pm

    Este será, de facto, dos temas mais interessantes de todos os que circundam as sombras da arte. E dos que mais me fazem pensar, também.
    Estou com a Eduarda, na ingenuidade e na desilusão constante sempre que espreito por trás da cortina.

  8. January 29, 2007 11:35 pm

    A capacidade artística está intrinsecamente ligada ao formato do espírito. Muitos grandes artistas (e não só, podemos falar das grandes personalidades em geral) possuem um carácter peculiar por vezes extremo. Do teu ponto de vista podes, simplesmente, pensar que ele venceu como artista e falhou como pessoa, se achares que chegou a esse ponto.

  9. Nathalia permalink
    February 13, 2007 11:33 am

    Será que o Van Gogh ia pintar quadros tão bons se não fosse meio doido? Se calhar eu devia dizer “ainda bem que ele era doido!”. Anyway…..

  10. October 23, 2007 1:12 pm

    arte e o idoso emtre em http://www.arqbrasil.com.br klik arte e antonio carlos hoppner desenhos e pinturas

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: