Skip to content

sobre o fast book

November 10, 2006

Desde há algum tempo que não entro em livrarias: mais do que perturbarem a minha existência, enfastiam-me! Tornou-se um lugar comum afirmar que o mercado livreiro está podre, corrompido e viciado… Mas a verdade é que está mesmo! As listas de livros mais vendidos tornaram-se previsíveis e pouco variam de região para região. Hoje em dia, entrar numa livraria significa levar na cara com fast book, pronto a pagar, consumir e deitar fora. Já não procuramos determinado autor, já não remexemos prateleiras, já não encomendamos obras esgotadas mas comemos o que as livrarias e editoras escolhem para/por nós. As obras imperecíveis estão escondidas num qualquer canto poeirento dos espaços comerciais ou então esgotadas há meses e sem grande vontade de reposição. Ou pior: o funcionário (os livreiros morreram!) nunca ouviu falar, pesquisa no computador, faz a encomenda (quando a obra existe nos catálogos) e depois é só esperar, com sorte, umas semanitas ou no pior dos casos, meses! No meio de tanto lamaçal medíocre tornou-se impossível escolher entre o mau e o péssimo. Os dados foram lançados, nós aceitamos ser peões.

… continua aqui

Advertisements
8 Comments leave one →
  1. November 12, 2006 2:13 pm

    Hmmm… na verdade, da última vez que meti os pés numa livraria (2 semanas? menos?) não trouxe o que queria – mas pelo preço. E, mais em conta, vim todo contente com uma Mário de Sá-Carneirozinho para casa.
    Não vejo um cenário tão apocalíptico, mas é certamente algo que dá para pensar. Isto é: na livraria estavam todos os indispensáveis da literatura contemporânea portuguesa (porque sei que os clássicos, por alguma razão que não sei, têm mais vezes os narizes torcidos das pessoas): Saramago, Lobo Antunes (estes dois com bastante destaque), Agustina, Cardoso Pires, Cesariny, Pessoa, Sá-Carneiro, Al Berto, etc. E esses não saem das prateleiras. Como apostar mais em qualidade se, ao que parece, não vende. Não nos podemos esquecer que, apesar de tudo, estamos a falar de comércio e não mecenato às boas cabecinhas dos indivíduos.
    Penso que a génese do problema – e ele existe, sim, concordo contigo -, que é onde deveria ser curado e não a meio dele, não está nas livrarias.

  2. November 14, 2006 12:25 pm

    é verdade que estamos perante um problema de dois bicos. as livrarias não apostam no “bom” ou “razoável” porque só vende o “mau”. mas como educar e formar leitores se as livrarias só oferecem o péssimo? o consumidor definirá sempre o mercado? claro que não vão ser as livrarias a educar as pessoas mas podem fazer alguma coisa…
    num “negócio” a escolha do consumidor tem sempre mais peso mas deveria haver mais esforços por parte das livrarias em tentar mudar a situação actual. felizmente há bons exemplos como a Centésima Página. Aleluia!

  3. November 14, 2006 9:14 pm

    Penso que é um problema educacional. De base. As livrarias deveriam ser o terminal onde os leitores vão buscar aquilo que sabem querer. No entanto, nada as impede de ter esse papel, verdade.
    O que me parece premente é que as pessoas que têm este conhecimento das coisas não se fechem, formando elites, mas que o partilhem com toda a gente. Mesmo que, ainda assim, essas mesmas elites não deixem de existir e de ser necessárias…

  4. November 15, 2006 10:15 am

    só mais um apontamento: o problema é que as livrarias deixaram de ter disponíveis aquilo que determinados leitores procuram… a minha crítica reside fundamentalmente aqui. tem que haver livros para todos os gostos e não predominar exclusivamente a “literatura light”…

  5. November 15, 2006 12:00 pm

    As livrarias sobrevivem à custa das vendas, não tendo qualquer subsídio que faça com que se possam dar ao ‘luxo’ de encomendar livros menos comercializáveis. É esta, infelizmente, a realidade.

  6. November 16, 2006 2:09 am

    Precisamente, Rui. Era isso que andava para aqui a tentar escrever.
    A minoria que compra, pelo que se aparenta, ‘boa literatura’ não basta para manter as vendas no aceitável – que no liberalismo-coiso é no lucro.
    Não que concorde especialmente com isto. Mas continuo a pensar nas pobres das livrarias sem culpa imediata. Ou então, pomos o conceito de toda a economia em questão: por mim, ‘bora aí
    Depois, podemos entrar na discussão bem mais infinita sobre a questão da ‘boa literatura’. Há pouco, em entrevista à Pública, o Lobo Antunes afirmou não conhecer Pamuk, nem demonstrou qualquer vontade para tal – será que há alguma razão para isso? Serão as dele, tal como existirão as nossas… É claro que há indiscutíveis, já sei – no mau e no bom.

  7. November 17, 2006 5:38 pm

    Acabei de ler este post e ia sugerir a Centésima Página, mas pelos vistos já conheces 🙂

  8. December 5, 2006 11:08 pm

    “Já não procuramos determinado autor, já não remexemos prateleiras, já não encomendamos obras esgotadas mas comemos o que as livrarias e editoras escolhem para/por nós”.

    Não: quem quer procurar determinado autor, remexer nas prateleiras e encomendar obras esgotadas fará isso se quiser. Mas só quem quiser.

    “o funcionário (os livreiros morreram!)”

    Não morreram; deram lugar a quem melhor serve o leitor.

    “No meio de tanto lamaçal medíocre tornou-se impossível escolher entre o mau e o péssimo. Os dados foram lançados, nós aceitamos ser peões”

    O consumidor nunca é peão do vendedor; embora o contrário seja frequentemente verdade.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: